Era Uma Vez: A Contação de Histórias Como Ação Humanizadora no Hemocentro

Eliandra Cardoso dos Santos Vendrame, Ercília Maria Angeli Teixeira de Paula, Lucas Tagliari da Silva, Marcos Antonio dos Santos

Resumo


A contação de histórias é um dos recursos utilizados pelos seres humanos
para reproduzirem a cultura e reinventá-la possibilitando a humanização
por meio do imaginário e da fantasia. Este estudo trata de experiências
vivenciadas no Hemocentro Regional de Maringá - PR com pacientes que
possuem doenças do sangue (hemofilia, talassemia, anemia falciforme)
e seus familiares que participam dos momentos de atendimento médico
especializado com objetivo de garantir a profilaxia aos usuários. As ações fazem parte do Projeto de Extensão: “Arte, Brincadeiras e Literatura: Educação Social em Saúde”. O objetivo deste estudo é de compreender a
contação de histórias como uma ação humanizadora e promotora da leitura
junto a pacientes e seus familiares no ambiente ambulatorial do hemocentro.
A metodologia consiste em um estudo bibliográfico sobre a contação de
histórias e as doenças do sangue, e a pesquisa ação como base para a
atuação. O Projeto tem contribuído para o desenvolvimento social, cognitivo,
e pedagógico das crianças e adolescentes, tendo em vista que os mesmos
eles têm apresentado uma maior desenvoltura desde o início do projeto,
não apenas com os participantes do Projeto, mas também nas relações
estabelecidas com toda a equipe de profissionais do Hemocentro.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVICH, F. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Scipione, 2009.

BELINKY, T. O caso do bolinho. 2ª ed. São Paulo: Moderna, 2004.

BORGES, M. A. Criação e implantação de um serviço pedagógico ambulatorial para portadores de doenças crônicas do sangue um relato de experiência. 1996. 194f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas,1996.

BRASIL. Federação Brasileira de Hemofilia. 2015. Disponível em:

. Acesso

em:18/02/2016.

BUSATTO, C. Contar e Encantar: pequenos segredos da narrativa. 7ª.ed.

Petrópolis, RJ, Vozes, 2011.

CANDIDO, A. O direito à literatura. in: CANDIDO, A. Vários escritos. 3ªed. São Paulo: Duas cidades, 1995.

COELHO, N.N. Literatura Infantil: Teoria, análise, didática. 1ª ed. São

Paulo: Moderna, 2000.

GRUPO GRAPHO COMUNICAÇÕES, A primeira roupinha. Casas

Pernambucanas. 1985.

HOUAISS, A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de

Janeiro: Objetiva. Versão 1.0. 1 [CD-ROM]. 2001.

JESUS, C. J. S. Talassemia. Minuto Biomedicina. 2015. Disponível em:

talassemia/>. Acesso em: 18/02/2016.

MORAES, F. Contar histórias: a arte de brincar com as palavras. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

OLIVEIRA, M. E.; ZAMPIERI, M.F.M.; BRÜGGEMANN, O.M. A melodia

da humanização: reflexões sobre o cuidado no processo de nascimento.

Florianópolis: Cidade Futura, 2001.

OLIVEIRA, L. S. Brincar(es) na infância: possibilidades no contexto da doença falciforme e da Hemofilia. 2010. 123 f. Dissertação (mestrado). Universidade Federal de Juíz de Fora, Faculdade de Educação, Minas Gerais, 2010.

PAULA, E.A.M.T. de. Identidades profissionais e cenários educativos de

professores e educadores em diferentes contextos. In: _ ; FALCO, A. M.

C. (org.) Educação e processos não escolares. Maringá: Eduem, 2012.

______. Poesias sobre crianças em enfermarias. 1ª ed. Curitiba, PR: Editora CRV, 2015

ROCHA, R. Os direitos das crianças segundo Ruth Rocha. São Paulo:

Companhia das Letrinhas, 2002.

SILVA, M.B.C. Contar histórias uma arte sem idade. 7ªed. São Paulo: editora Ática, 1997.

VENDRAME, E. C. D. S. Da história contada ao sujeito de contação: como

me fiz contadora de histórias... 2015. 132f. Dissertação (Mestrado em

Educação), Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade

Estadual de Maringá, Maringá, 2015.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. SP, Martins Fontes, 1987.

______. Psicologia pedagógica. Trad. Claudia Schilling. Porto Alegre: Artmed,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 CADERNOS DE PESQUISA: PENSAMENTO EDUCACIONAL