A Habilidade Empática do Professor na Dinamização da sua Prática Pedagógica

Letícia Pontes, Cleomar Ferreira Gomes

Resumo


A empatia é compreendida como um construto multidimensional que inclui três componentes: um cognitivo, um afetivo e um comportamental. Tem sido considerado um atributo necessário aos profissionais de ajuda, entre os quais consideramos todos aqueles envolvidos com a assistência à saúde e a processos de aprendizado. A discussão proposta neste estudo de abordagem qualitativa é analisar se professores que formam profissionais de saúde de uma universidade pública, vistos pelos alunos como facilitadores do aprendizado apresentam habilidade empática. Compreender, ainda, se o uso da empatia, no trajeto pedagógico é uma tática utilizada pelos professores como instrumento teórico-metodológico facilitador do processo de aprender. Foram obtidos dados de vinte e quatro alunos, sendo dezesseis por meio de entrevista semiestruturada e oito por meio de questionário eletrônico com posterior análise do conteúdo temático. Os resultados apresentados neste artigo apontaram que as características da professora considerada pelos alunos como facilitadora do aprendizado, compõem os elementos essenciais para a empatia e se fazem presentes nos componentes cognitivo, afetivo e comportamental, necessários para a empatia. Isso sugere que o professor ao transmitir ou expressar “empatia” em relação a seus alunos configura-se em atributo que facilita o aprendizado, assim como a necessidade da inclusão de conteúdos na formação de professores com objetivo de desenvolver ou aprimorar a habilidade empática.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 2. ed. Lisboa: Edições 70, 1977. 225 p.

BARRET-LANNARD. Godfrey T. The empathy cycle: refinement of a nuclear

concept. Journal of Counseling Psychology, 28, 29-100, 1981.

CASASSUS, Juan. A Escola e a Desigualdade. 2. Ed. Ed: UNESCO, 2007.

p.

COMENIUS, João Amos. Tradução de ABU-MERHY, Nair Fortes. Didática

Magna. Rio de Janeiro: Ed. Rio, 1978. 299 p.

DAVIS, Mark H. A multidimensional approach to individual differences in

empathy. Catalog of Selected Documents in Psychology, 10, p. 85, 1980.

DECETY, Jean.; JACKSON, Philip L. The Funcional architecture of human

empathy. Behavioral an Cognitive Neuroscience Reviews, 3, 71-100, 2004.

FALCONE, Eliane Mary de Oliveira. A avaliação de um programa de

treinamento da empatia com universitários. Tese (Doutorado), Universidade

de São Paulo, São Paulo, 1998.

______. A avaliação de um programa de treinamento da empatia com

universitários. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, V1,

nº1, 23-32, 1999.

FALCONE, Eliane Mary de Oliveira; GIL, Débora Barbosa; FERREIRA, Maria

Cristina. Um estudo comparativo da freqüência de verbalização empática entre

psicoterapeutas de diferentes abordagens teóricas. Estudos de Psicologia, 24,

-461, 2007.

______. Inventário de Empatia (IE): Desenvolvimento e Validação de uma

medida Brasileira. Avaliação Psicológica, p 321-334, 2008. FEITOSA, Leonina Amanda; CORNELSEN, Julce Mary; VALENTE, Silza

Maria Pasello. Representação do bom professor na perspectiva dos alunos de

arquivologia. Perspectivas em Ciências da Informação, V.12, n.2, p.158-167,

maio/ago. 2007.

GOLEMAN, Daniel. Inteligência Emocional. 18. Ed. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva,

375 p.

JULIATTO, Clemente Ivo. A Universidade em Busca da Excelência- Um Estudo

Sobre a Qualidade da Educação. Curitiba: Ed. Champagnat, 2005. 240 p.

KOLLER, Sílvia Helena; CAMINO, Cleonice; RIBEIRO, J’aims. Adaptação e

validação interna de duas escalas de empatia para uso no Brasil. Estudo de

Psicologia, 18, 43-53, 2001.

LARSON, Eric B.; YAO, Xin. Clinical empathy as emotional labor in the

patient-physician relationship: empathy, emotional labor and acting. JAMA,

(9):1100-6, 2005.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento - pesquisa

qualitativa em saúde. São Paulo: HUCITEC, 1992. 269 p.

MORIN, Edgar; PENA-VEJA, Alfredo; PAILLAR, Bernard. Dialogo Sobre o

Conhecimento. 3. ed. São Paulo: Ed. Cortez, 2004. 95 p.

MORIN, Edgar; CIURANA, Emilio-Roger; MOTTA, Raúl Domingo. Educar na

era planetária. 3. ed. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2009. 111 p.

PALMINI, André Luis Fernandes. A neurociência das relações entre professores

e alunos: entendendo o funcionamento cerebral para facilitar a promoção do

conhecimento. In: FREITAS, Ana Lúcia Souza de et al (ORGS). Capacitação

Docente – um movimento que se faz compromisso. Porto Alegre: 2010

EDIPUCRS, p 15-24. Disponível em: http://www.pucrs.br/orgaos/edipucrs/.

Acesso em: 11 de março de 2011.

PRESTON, Stephanie D.; BECHARA, Antoine; DAMASIO, Hanna et al. The

neural substrates of cognitive empathy. Soc Neurosci, 2:254-275, 2007.

PRESTON, Stephanie D.; DE WALL, Frans B.M. Empathy: Its ultimate and

proximate bases. Behavioral and Brain Sciences, 25, 1-72, 2002.

ROGERS, Carl Ransom; ROSENBERG, Rachel Lea. A Pessoa Como Centro.

São Paulo: Ed. Pedagógica universitária, 1977. 228p

ROGERS, Carl Ransom. Tornar-se Pessoa. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 CADERNOS DE PESQUISA: PENSAMENTO EDUCACIONAL