Uma breve arqueologia das técnicas de animação pré-cinematográfica a partir do século XIX: reflexões sobre a representação em ciclos

  • João Henrique Duarte Nadal

Resumo

A revolução industrial trouxe uma pluralidade de avanços científicos em diversos campos das ciências naturais
(física, química, biologia) que apresentaram questionamentos sobre a dinâmica de fenômenos diversos e a sua
relação com o ser humano. Tais indagações levaram a uma racionalização da subjetividade ao longo do século
XVIII, o que ajudou a instrumentalizar as formas de representação, acelerando o cotidiano dos centros urbanos
e distribuindo imagens técnicas em seu interior de forma análoga aos modos de produção e circulação dos
bens. A inserção de dispositivos variados traz para o campo da comunicação novas formas de representação,
por exemplo, a inserção de novas temporalidades na imagem vindouras de diferentes tecnologias (fotografia,
cronofotografia, animação). Partindo desta perspectiva o presente artigo se prontifica a analisar as principais
formas de animação pré-cinematográfica presentes neste momento histórico e identificar quais eram seus usos
e quais as relações que se estabeleciam com sociedade. Para tanto, serão utilizados os conceitos desenvolvidos
por Lev Manovich e Laurent Mannoni sobre as características destes meios e os reflexos destas técnicas na
sociedade industrial.