O Preconceito Étnico-Racial nas Letras de Rap e Samba: a nossa Guerra é Fazer Poesia

  • Enis Mazzuco
  • Juliana Maestri Machado
  • Raiana Letícia de Melo

Resumo

Este artigo visa discutir como o preconceito étnico-racial é retratado nas letras de rap e de samba no Brasil. Para tanto,
foi realizada uma síntese histórica sobre os conceitos de preconceito, preconceito étnico-racial, estigma e discriminação
no Brasil. Pontuamos também a música como uma forma de comunicação e de linguagem, além de abordar os estilos
musicais rap e samba. A pesquisa partiu de um estudo qualitativo de cunho bibliográfico e foi realizada a partir da
análise documental de 08 (oito) letras de músicas, sendo 05 (cinco) de rap e 03 (três) de samba, escritas entre a década
de 1980 até o momento atual. Os dados foram organizados de acordo com a análise de conteúdo, e a partir dessa
foram criadas 02 (duas) categorias: preconceito e protesto e estereótipo e estigma. Buscou-se, a partir dessas categorias,
investigar as letras que exaltem a cultura negra e/ou o combate ao preconceito étnico-racial, destacando diferenças e
semelhanças entre o rap e o samba quanto às formas desse tipo de preconceito no Brasil. Constatamos que existem
mais semelhanças entre o rap e o samba do que imaginado a priori, sendo que ambos os estilos exaltam a figura do
negro, bem como utilizam um discurso de protesto contra o preconceito étnico-racial, discriminação e segregação.
Além disso, as letras de rap e samba, constituem um espaço de troca de experiências, de afetos, de vivências e de
elaboração de estratégias de enfrentamento do racismo e do preconceito com o negro no Brasil.

Publicado
2018-06-12