Achados Audiométricos de Idosos Usuários de um Serviço de Alta Complexidade no Sul do País

  • Camille Paes Camargo
  • Adriana Bender Moreira de Lacerda

Resumo

Dentre as alterações fisiológicas do processo de envelhecimento humano, a deficiência auditiva é uma das mais
frequentes e incapacitantes. Esta alteração, conhecida como presbiacusia, diminui o contato social do idoso,
podendo gerar alterações emocionais graves. Objetivo: identificar os achados audiométricos de idosos atendidos
em um serviço de alta complexidade no sul do país. Método: Estudo transversal e quantitativo, com idosos
maiores de 60 anos, usuários ou não de aparelho de amplificação sonora. Foi realizada, otoscopia, anamnese
e audiometria tonal convencional. Resultado: A amostra foi composta por 46 indivíduos, dos quais 43,48%
(n=20) são do sexo feminino e 56,52% (n=26) do sexo masculino. A idade média observada foi 74,78 anos,
com variação (desvio padrão) de 7,96 anos. De acordo com a pesquisa 50% (n=23) não faz uso de aparelho de
amplificação sonora individual (AASI), 45,65% (n=21) o fazem e 4,35 (n=2) não responderam a essa questão.
A perda auditiva de maior ocorrência foi do tipo neurossensorial bilateral 73,91% (n=34), de grau moderado,
sendo 45,65% (n=21) da amostra na orelha direita e 41,30% (n=19) na orelha esquerda e de configuração
descendente, sendo 73,92% na orelha direita (n= 34) e 73,91% na orelha esquerda (n=34). Conclusão: Os idosos
apresentaram achados audiométricos, compatível com a presbiacusia,podendo impactar na qualidade de vida.

Publicado
2018-06-05