As Possibilidades Investigativas das Narrativas Históricas Visuais nas Pesquisas da Educação Histórica no Mato Grosso

Marcelo Fronza

Resumo


Neste artigo busca-se diagnosticar as investigações dos professores historiadores do Grupo Pesquisador Educação Histórica: consciência histórica e narrativas visuais (GPEDUH/UFMT),que, a partir das narrativas históricas audiovisuais, tais como as histórias em quadrinhos, os games, os filmes e sites da internet como, por exemplo, o YouTube, pesquisam a consciência histórica dos jovens estudantes da Educação Básica mato-grossense. Isso leva à pressuposição de que as narrativasvisuais, como o cinema, as histórias em quadrinhos, a internet e os games e jogos com temas históricos são formas de narrar que podem expressar e desenvolver a consciência histórica desses jovens alunos da Educação Básica a partir das dimensões estética, cognitiva, política dos artefatos da cultura histórica de sua comunidade (RÜSEN, 2009). A investigação dessas narrativas históricas visuais possibilita a explicitação da competência de geração de sentido de orientação no tempo dos jovens que percebem, interpretam e se orientam no fluxo temporal entre o passado, o presente e as expectativas de futuro (RÜSEN, 2015a). Essas narrativas possibilitam que esses professores historiadores construam investigações que inventariem as ideias históricas dos jovens e seus posicionamentos políticos, estéticos, cognitivos e éticos perante os desafios que enfrentam em sua práxis vital.

Palavras-chave: Educação Histórica. Narrativas históricas visuais. Aprendizagem histórica dos jovens estudantes.


Texto completo:

PDF

Referências


ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: Dilemas da subjetividade

contemporânea. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010.

BARBOSA, Alexandre Valença Alves.Histórias em quadrinhos sobre a História do Brasil em 1950: a narrativa dos artistas da EBAL e outras editoras. 2006, 253p. (Dissertação de Mestrado em Comunicação) – Escola de Comunicações e Arte, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

BARCA, Isabel. O pensamento histórico dos jovens: idéias dos adolescentes acerca da provisoriedade da explicação histórica. Braga: Universidade do Minho, 2000.

BONIFÁCIO, Selma de Fátima.História e(m) quadrinhos: análises sobre a

História ensinada na arte sequencial. 2005. 209p. (Dissertação de Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.

CAMPOS, Jorciane Moreira de; AMORIM, Suellen. P. B.; VIANA, Joathan. A. Jornal Afro e Indígena de 1970 a 2014. Cuiabá, 2015 (mimeo.).

CAMPOS, Jorciane Moreira de. Aprendizagem histórica a partir dos manhwas: um diálogo entre a história e as histórias em quadrinhos sul coreanas. 2017. 62p. (Trabalho de Conclusão de Curso em Licenciatura em História). Departamento de História, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2017.

COSTA, Hilton. Horizontes Raciais: a idéia de raça no pensamento social

brasileiro. 1880-1930. 2004. 148p.(Dissertação de Mestrado em História)– Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

______. Hierarquias brasileiras: abolição da escravatura e as teorias do racismo científico. Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros-NEAB, UFPR. Disponivel em: . Acesso em: 26 mai. 2014.

DRAY, William. Filosofia da História. Rio de Janeiro: Zahar, 1969.

______. Perspectives on history. Londres: Routledge and Paul Kegan, 1980.

FERNANDES, Lindamir Zeglin. A Reconstrução de aulas de História na

perspectiva da Educação Histórica: da aula oficina à unidade temática

investigativa. In: Anais do VIII Encontro Nacional de Pesquisadores de Ensino de História: Metodologias e Novos Horizontes. São Paulo: FEUSP - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, s/p., 2008.

FLICK, Uwe. Uma introdução à Pesquisa Qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FREITAS, Rafael Reinaldo. Aprendizagem histórica de jovens estudantes no envolvimento com o jogo eletrônico: um estudo da relação intersubjetiva entre consciência histórica e cultura histórica. 2017. 203p. (Dissertação de Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2017.

“Autor”. 2007, 170p. (Dissertação de Mestrado em Educação) – Programa

de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

“Autor”. 2012, 465p. (Tese de Doutorado em Educação) – Programa de PósGraduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

“Autor”. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 60, p. XX-XX, 2016a.

“Autor”. In: BRAGANÇA, Inês Ferreira de Souza: ABRAHÃO, Maria Helena

Menna Barreto; FERREIRA, Márcia Santos. Perspectivas epistêmicometodológicas da pesquisa (auto)biográfica. Curitiba: CRV, 2016, p. XXXXXX. GAGO, Marília.Pluralidade de olhares: construtivismo e multiperspectiva no processo de aprendizagem. Lisboa: Pensar a educação, 2012.

GATTI, Bernadete. Grupo focal de pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Liber Livro, 2012 (Série Pesquisa, 10).

GONÇALO JUNIOR. A guerra dos gibis: a formação do mercado editorial

brasileiro e a censura aos quadrinhos, 1933-64. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

GUNDERMANN, Christine.Jenseits von Asterix: Comics im Geschichtsunterricht. Schwalbach: Wochenschau Verlag, 2007.

JORDANOVA, Ludmila.History in practice. New York: Oxford university Press, 2006.LEE, Peter; ASHBY, Rosalyn. Progression in historical understanding among students ages 7-14. In: STEARNS, Perter N.; SEIXAS, Peter; WINEBURG, Sam (eds.). Knowing, teaching and learning History: national and international perspectives. New York: New York University Press, 2000, p. 199-222.

LEE, Peter. Understanding History. In: SEIXAS, Peter (ed.). Theorizing historical consciousness. Toronto/Buffalo/London: University of Toronto Press, 2006, p. 129-164.

LEJEUNE, Philippe. Le Pacte Autobiographique. Paris: Editions de Seuil, 1996.

LESSARD-HÉBERT, Michelle; GOYETTE, Gabriel; BOUTIN, Gérald. Investigação qualitativa: fundamentos e práticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.

MACIKIO, Mariana Mendonça; BERTOLINI, Pedro Henrique. O filme como

aprendizagem das africanidades para alunos do Ensino Médio.Cuiabá, 2015 (mimeo.).

MARTIN, Raymond. The past with us: an empirical approach to Philosophy of History. Princeton: Princeton University Press, 1989.

______. Objectivity and meaning in historical studies: toward a post-analytic view. In: History and Theory: Studies in the Philosophy of History, Middletown: Wesleyan Univesity, v. 32, n. 1, p. 25-50, 1993.

MAUAD, Ana Maria. Imagem e auto-imagem do Segundo Reinado. In:

ALENCASTRO, L. F. de (org.). História da vida privada no Brasil.Império: a corte e a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, p.181-231.

McCULLAGH, C. Behan. Justifying historical descriptions.Cambridge:

Cambridge University Press, 1984.

______. The truth of History. London/New York: Routledge, 1998.

NERES, Julio Maria. A Produção Didática de História em Quadrinhos: Julierme e a história para a escola moderna (1969-1975). 2005. (Dissertação de Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

RÜSEN, Jörn.A razão histórica: Teoria da história I: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: UnB, 2001.

______.História viva: Teoria da história III: formas e funções do conhecimento histórico.. Brasília: UnB, 2007.

______. ¿Qué es la cultura histórica?: Reflexiones sobre una nueva manera de abordar la historia. Cultura histórica, 2009. [Versión castellana inédita del texto original alemán en K. Füssmann, H.T. Grütter y J. Rüsen, eds.. Historische Faszination. Geschichtskultur heute. Keulen, Weimar y Wenen: Böhlau, 1994,p. 3-26]. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2010.

______.Aprendizagem histórica: Fundamentos e paradigmas. Curitiba: W. A. Editores, 2012.______.Cultura faz sentido: orientações entre o ontem e o amanhã. Petrópolis: Vozes, 2014.

______. Teoria da História: uma teoria da história como ciência. Curitiba:

Editora UFPR, 2015a.

______. Formando a consciência histórica – para uma didática humanista da história. In.: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; FRONZA, Marcelo; NECHI, Lucas Pydd (orgs.). Humanismo e didática da história (Jörn Rüsen). Curitiba: W. A. Editores,2015b, p. 19-42.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Cognição histórica situada: que aprendizagem é esta? In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel. Aprender História: perspectivas da Educação Histórica. Ijuí: Unijuí,2009, p. 21-50. SOBANSKI, Adriane de Quadros et al. Ensinar e aprender História: histórias em quadrinhos e canções. Curitiba: Editora Base, 2010.

SOUZA, Eder Cristiano. Cinema e educação histórica: jovens e sua relação com a história em filmes. 2014. 357p.(Tese de Doutorado em Educação) –Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2014.

TORRES, Anderson Pinheiro; BORGES, Gabriel Ferreira; SANTOS, Adão S. A construção de uma nação: determinismo racial na formação de uma identidade brasileira. Cuiabá, 2015 (mimeo.)

VERSACI, Rocco. This book contains graphic language: comics as literature. New York/London: The Continuum International Publishing Group, 2007.

WALSH, W. H. Introdução à filosofia da História. Rio de Janeiro: Zahar,

WITEK, Joseph. Comic books as History: the narrative art of Jack Jackson, Art Spiegelman and Harvey Pekar. Jackson: University Press of Mississipi, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 CADERNOS DE PESQUISA: PENSAMENTO EDUCACIONAL