A Inter e a Transdisciplinaridade e suas Contribuições para um Curso de Formação em Magistério Indígena no Estado do Tocantins

Simara de Sousa Muniz, Francisco Edviges Albuquerque

Resumo


Esse trabalho está vinculado ao Projeto de Pesquisa “Educação Escolar Indígena no Estado do Tocantins: Uma Proposta para o Curso de Formação do Magistério Indígena”. O objetivo da pesquisa é fazer um diagnóstico da Educação para os povos indígenas que vivem nessa Unidade da Federação, para, a partir daí, apresentar uma proposta de pesquisa sobre o Curso de Formação em Magistério Indígena. Nesse artigo o objetivo é identificar e apresentar as contribuições da Inter e da Transdisciplinaridade para o Curso de Magistério Indígena, considerando os aspectos socioculturais e a complexidade de cada etnia. Para que possamos atingir nossos objetivos, realizamos uma pesquisa qualitativa a partir dos procedimentos das pesquisas bibliográfica e documental. A fundamentação teórica inclui as categorias: Interdisciplinaridade (Ivani Fazenda, Edgar Morin); Transdisciplinaridade: B. Nicolescu (2008, 2009), Ubiratan D`Ambrósio (2009), Solange M. O. Magalhães (2010); Educação Indígena (Francisco Edviges Albuquerque (2007, 2010, 2012, 2013), Terezinha M. Maher (2006), Wilmar D´Angelis (2000), Severina Alves de Almeida, 2011); Magistério Indígena (Francisco Edviges Albuquerque ); Formação de Professores Indígenas (Francisco Edviges Albuquerque (2007, 2011), Luiz D. B. Grupioi (2006), Terezinha M. Maher (2006), Aracy Lopes da Silva(2000), dentre outros. Os documentos  norteadores abrangem a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDB (9394/96); a Constituição Federal do Brasil (1988); o Referencial Curricular para a Educação Indígena RCNEI (1998), dentre outros. Os resultados nos permitem afirmar que a escolarização para os povos indígenas se insere num novo paradigma educacional, e que a Interdisciplinaridade e a Transdisciplinaridade têm uma importante contribuição a dar ao Magistério Indígena e, por conseguinte, à Formação de Professores Indígenas.

Palavras-chave: Educação Indígena. Inter-Transdisciplinaridade. Formação de Professores Indígenas.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Marta Virginia de Araújo Batista. Situação Sociolinguística dos Krahô de Manoel Alves e Pedra Branca: Uma Contribuição para Educação Escolar. Dissertação de Mestrado (2013). Disponível: http://www.uft.edu.br/lali. Acesso: 11-jan-2016.

ALBUQUERQUE, Francisco Edviges. Contato dos Apinayé de Riachinho e Bonito Com o Português: Aspectos Da Situação Sociolinguística. Dissertação de Mestrado. UFG - Universidade Federal de Goiás. Goiânia: 1999.

______. Contribuição da Fonologia ao Processo de Educação Indígena Apinayé. Tese de Doutorado. UFF – Universidade Federal Fluminense. Niterói: 2007.

______. A Educação Escolar Apinayé na Perspectiva Bilíngue e Intercultural. Projeto de Pesquisa do Observatório da Educação Indígena. CAPES/UFT. 2010.

______. A Aquisição da Escrita pelas Crianças Apinayé de São José. In: A Educação escolar Apinaye na perspectiva bilingue e intercultural / Francisco Edviges Alburquerque, (org). – Goiânia: Ed. da PUC. Goiás, 2011. 240 p. Disponível: http://www.uft.edu.br/lali. Acesso: 11-jan-2016.

______. Relatório das Atividades do Programa do Observatório da Educacão Escolar Indígena UFT/CAPES/Edital 01/2009 – Projeto 014. In: Educação escolar indígena e diversidade cultural / Francisco Edviges Albuquerque, Severina Alves de Almeida, (Org.). – Goiânia: Ed. América, 2012. 369 p. Disponível: http://www.uft.edu.br/lali. Acesso: 11-jan-2016.

______. ALBUQUERQUE, Francisco Edviges; PINHO, Maria José de. Transdisciplinaridade e Educação Intercultural: A Formação do Professor Indígena Apinayé Em Perspectiva (2013). Disponível: https://www.academia. edu. Acesso: 11-jan-2016. p. 825-846.

ALMEIDA, Severina Alves de. A Educação Escolar Apinayé na Perspectiva Bilíngue e Intercultural: Um Estudo Sociolinguístico das Aldeias São José e Mariazinha / Severina Alves de Almeida. -- Araguaína: [s.n], 2011. 197f. Disponível: http://www.uft.edu.br/lali. Acesso: 12-jan-2016.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Indígena RCNEI. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BEHRENS, M. A. O paradigma da complexidade: metodologia de projetos, contratos didáticos e portifólios. Petrópolis: Vozes, 2006

______. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Versão on-line. Disponível: www.planalto.gov.br/ccivil.../ Acesso: 12-jan-2016.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96. São Paulo: SINPRO, 1996.

______. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível: www.ibge.gov.br/cidadesat/. 13-jan-2016.

CELANI, Maria Antonieta Alba. Transdisciplinaridade na Linguística Aplicada no Brasil. In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. C. (Orgs.). Linguística Aplicada e Transdisciplinariedade. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1998. p. 129- 142.

D’ AMBRÓSIO, U. Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Athena, 2009.

D´ANGELIS, Wilmar R. Alfabetizando em comunidade indígena. Estudo e debate de professores Kaingang do Rio Grande do Sul. Formação continuada. 2000. 185p. Disponível: http://www.portalkaingang.org/alfabetizando.pdf. Acesso: 13-jan-2016.

DURAND, Rosamaria. Apresentação da 1ªedição do livro: Educação na Diversidade: experiências e desafios na educação intercultural bilíngue / organização, Ignácio Hernaiz; tradução, Maria Antonieta Pereira... [et al]. – 2. ed. -Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; Unesco, 2007. 356 p. : il. – (Coleção Educação para todos; 28)

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. (Org.). Interdisciplinaridade na formação de professores: da teoria à prática. Canoas: ULBRA, 2006. V. 01. 190 p.

______. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 13.ed. São Paulo: Papirus, 2008.

GRUPIONI, L. D. B. Contextualizando o campo da formação de professores indígenas no Brasil. In: GRUPIONI, L. D. B. (Org). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: MEC, 2006. p.39-68. Disponível:

http://www.dominiopublico.gov.br. Acesso: 15-jan-2016.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas.7.ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2006. Disponível: https://leandromarshall.files.wordpress.com. Acesso: 13-jan-2016.

LEONARDO, António José. Breve História das Academias Científicas. Disponível: http://dererummundi.blogspot.com.br/2007. Acesso: 18-jan-2016.

LIMA, Waner Gonçalves. Política pública: discussão de conceitos. Interface (Porto Nacional), Edição número 05, Outubro de 2012. Disponível: http://www.ceap.br. Acesso: 18-jan-2016.

LOPES DA SILVA, Aracy. GRUPIONI, Luis Donizeti Benzi. A Temática Indígena na Escola Novos Subsídios para Professores de 1º. E 2º. Graus. MEC/MARI; UNESCO, 3, ed., 2000.

MAGALHÃES, S. M. O. Transdisciplinaridade e seus reflexos na formação de professores. In: GUIMARÃES, V. S. (Org.). Formação e Profissionalização Docente. Goiânia: PUC Goiás, 2009. p.61-97.

______. Crise paradigmática e a transformação da sala de aula universitária. Travessias. 2010. Disponível: e-revista.unioeste.br. Acesso: 18-jan-2016.

MAHER, Terezinha Machado. Formação de Professores Indígenas: uma discussão introdutória. In: Formação de professores indígenas: repensando trajetórias / Organização Luís Donisete Benzi Grupioni. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006. 230 p.

MONTEIRO, Hélio Simplicio Rodrigues. Magistério indígena: contribuições da etnomatemática para a formação dos professores indígenas do Estado do Tocantins / Hélio Simplício Rodrigues Monteiro, orientador Prof. Dr. Erasmo Borges de Souza Filho. 2011. Disponível: www.etnomatematica.org. Acesso: 18-jan-2016.

MORAES, M. C. O Paradigma Educacional Emergente: implicações na formação do professor e nas práticas pedagógicas. Em Aberto, Brasília, ano 16. n.70, abr./jun. 1996. Disponível: www.dominiopublico.gov.br. Acesso: 18-jan-2016.

______. O paradigma educacional emergente. 10.ed. São Paulo: Papirus, 2004.

MORIN, Edgar; ALMEIDA, Mª da Conceição; CARVALHO, Edgar de Assis. Educação complexidade: os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2007.

______.Desafios da transdisciplinaridade e da complexidade In: Inovação e interdisciplinaridade na universidade. Porto Alegre, EDIPURS, 2001.

______. Introdução ao pensamento complexo. 5.ed. Rio de Janeiro: Instituto Piaget, 2002.

NICOLESCU, B. Educação e Transdiciplinaridade. Brasília: UNESCO, 2009.

______. O Manifesto da Transdiciplinaridade. São Paulo: Triom, 2008.

NÓVOA, A. (Org). Os professores e a sua formação: Instituto de Inovação Educacional, Lisboa: Porto Editora, 1992.

SANTOS, Souza Boaventura de. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, out., 2003. P.237-280 T 43. Disponível: http://www.ces.uc.pt. Acesso: 23-jan-2016.

TOCANTINS. Governo do Estado. Projeto de Educação Escolar Indígena do Estado do Tocantins. Secretaria da Educação e Cultura (SEDUC), em parceria com a UFG – Universidade Federal de Goiás. Palmas: 1998.

______. Governo do Estado. Curso de Formação Continuada para Professores das Escolas Indígenas. Secretaria da Educação e Cultura (SEDUC), em parceria com a UFG – Universidade Federal de Goiás. Palmas: 2007.

______. Governo do Estado. Curso de Formação Continuada para Professores das Escolas Indígenas. Secretaria da Educação e Cultura (SEDUC). Palmas: 2015. Disponível: http://portal.to.gov.br/povos-indigenas. Acesso: 23-jan-2016.

URQUIZA, A. H. Aguilara; NASCIMENTO, Adair C. 2010. Currículo, Diferenças e Identidades: tendências da escola indígena Guarani e Kaiowá. Currículo sem Fronteiras, v.10, n.1, pp.113-132, Jan/Jun 2010. Disponível: www.curriculosemfronteiras.org. Acesso: 23-jan-2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 CADERNOS DE PESQUISA: PENSAMENTO EDUCACIONAL