Paulo Freire e a educação da infância: contribuições à educação social a Partir da obra Pedagogia do Oprimido

Franciele Clara Peloso

Resumo


Paulo Freire foi um dos educadores brasileiros mais reconhecidos mundialmente, sua obra é extensa e contempla muitas temáticas. Todavia, ao analisar como é estudado e socializado o legado freiriano, é possível perceber que seus pressupostos são, em grande maioria, difundidos nos estudos sobre a Educação de pessoas jovens e adultas. Assim, o objetivo desse estudo é analisar e discutir como os pressupostos freirianos podem ser recriados na Educação da Infância, sendo que historicamente o legado freiriano foi pouco mencionado nas práticas pedagógicas e discussões referentes à Educação da Infância. A metodologia utilizada baseia-se numa pesquisa qualitativa, de caráter teórico. A partir da análise da obra Pedagogia do Oprimido é possível afirmar que os pressupostos teóricos freirianos podem ser utilizados em diversos contextos educativos, principalmente naqueles onde os mecanismos de opressão, de exclusão, de preconceito, de subordinação, de miséria, dentre outros, se fazem presentes e impedem a vocação de ser mais das pessoas: a humanização. Sob essa perspectiva, foi possível evidenciar que o pensamento freiriano é significativo para alavancar mudanças no âmbito da Educação Social, em especial ao que tange à Educação das Infâncias.


Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel González. Imagens quebradas: Trajetórias e tempos de

mestres e alunos. Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

______; SILVA Maurício Roberto da. (orgs). Corpo Infância: exercícios tensos de ser criança; por outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BOTO, Carlota. O desencantamento da criança: entre a Renascença e o

Século das Luzes. In: FREITAS, Marcos Cézar. de; KUHLMANN JUNIOR,

Moysés. (orgs). Os intelectuais na história da infância. São Paulo: Cortez, 2002. p. 11-60.

DEHEINZELIN, Monique. A fome com a vontade de comer: Uma proposta

curricular de educação infantil. 10.ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

DORNELLES, Leni Vieira. Infâncias que nos escapam: da criança na rua à

criança cyber. Rio de Janeiro: Vozes, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 40. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,

FREITAS, Marcos Cezar de; KUHLMANN JUNIOR, Moysés. Os intelectuais na história da infância. São Paulo: Cortez, 2002.

GHIRALDELLI, Paulo. História da Educação Brasileira. 2ed. São Paulo:

Moderna, 2006.

GIROUX. Henry Armand; MCLAREN, Peter. Por uma pedagogia crítica

da representação. In: SILVA, T. T, da; MOREIRA, A. F. (orgs). Territórios

Contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais.4ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1995, p. 144-158.

KRAMER, Sonia. Pesquisando Infância e Educação: um encontro com Walter Paulo Freire e a Educação da Infância... - Franciele Clara Peloso

Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional, Curitiba, v. 12, n. 30, p.39-56 jan./abr. 2017. Disponível em

Benjamin. In: ______; LEITE, Maria Isabel Ferraz Pereira (orgs). Infância: Fios e desafios da pesquisa. 7ed. São Paulo: Papirus, 2003a. p. 13-38.

______. Com a pré-escola nas mãos: Uma alternativa curricular para a

educação infantil. 14ed. São Paulo: Ática, 2003b.

KUHLMANN JUNIOR, Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. 4ed. Porto Alegre: Mediação, 2007.

PELOSO, Franciele Clara; PAULA, Ercília Maria Angeli Teixeira de. A educação da infância das classes populares: uma releitura das obras de Paulo Freire. Educação em Revista. V. 27, no.03, dez 2011. p. 251-280.

POSTMAN, Neil. O Desaparecimento da Infância. Trad. Suzana Menescal de Alencar Carvalho e José Laurenio de Melo. Rio de Janeiro: Graphia, 1999.

REDIN, Euclides [et al] (orgs). Infâncias: cidades e escolas amigas das crianças. Porto Alegre: Mediação, 2007.

RICHARDSON, Roberto. Jarry. et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. Ed.São Paulo: Atlas, 1999.

SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da

segunda modernidade. In:______; CERISARA, Ana Beatriz (org). Crianças e Miúdos: perspectivas sociopedagógicas. Porto Asa, 2003, p. 09-34.

______. Visibilidade social e estudo da infância. VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de; SARMENTO, Manuel Jacinto. Infância (in)visível. Araraquara: Junqueira e Marin, 2007. p. 25-49.

______. Sociologia da Infância: correntes e confluências. In: SARMENTO, Manuel Jacinto. GOUVEA, Maria Cristina Soares de. (orgs). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Rio de Janeiro: Vozes, 2008, p. 17-39.

SCOCUGLIA, Afonso. Celso. A progressão do pensamento político-pedagógico de Paulo Freire. In: Carlos A. T. (Org.). Paulo Freire e a agenda da educação latino-americana no século XXI. Buenos Aires: CLACSO - Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais, 2001, v. 1, p. 323-348.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 CADERNOS DE PESQUISA: PENSAMENTO EDUCACIONAL