A diferenciação curricular e pedagógica como um desafio epistemológico

Rui Trindade, Ariana Cosme

Resumo


A diferenciação curricular e pedagógica como exigência e necessidade educativa tem estado na origem de reflexões e práticas que tendem a acentuar, sobretudo, a necessidade de se respeitar as singularidades cognitivas e culturais dos alunos como fator fundamental da gestão do seu processo de ensino-aprendizagem. Sendo certo que este é um fator incontornável de um projeto educacional de matriz democrática, importa valorizar uma outra dimensão, a que alguns investigadores têm vindo a chamar a atenção, e que se relaciona quer com as singularidades epistemológicas dos saberes escolares quer com a historicidade dos mesmos. Trata-se de afirmar que o seu processo de construção não pode ser desprezado como um fator que obriga os docentes a refletir sobre os desafios culturais com que, a partir de tais saberes, definem os desafios curriculares que suportam a sua ação formativa nos espaços da sala de aula. É sobre uma tal problemática, e as implicações curriculares e didáticas da mesma, que este texto se debruça.

Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, D. P. (2003). Aquisição e retenção de conhecimentos: Uma

perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano Edições Técnicas.

BALDAIA, A. (2012). «Sérgio Niza: Os professores têm que tomar consciência

da sua força» (entrevista). A Página da educação, nº 198 (Série II), 6-17.

BARROSO, J. (1995). Os liceus: Organização pedagógica e administração

(1836-1960) – Vol. I. Lisboa: FCT/JNICT

BROUSSEAU, G. (2000). Fundamentos e métodos da didáctica da matemática.

Em BRUN, J. (Dir.), Didáctica das matemáticas (pp.35 - 113). Lisboa: Instituto

Piaget.

______. (2000). Evolução das relações entre a psicologia do desenvolvimento

cognitivo e a didáctica da matemática. Em Brun, J. (Dir.), Didáctica das

matemáticas (pp.17– 33). Lisboa: Instituto Piaget.

BRUNER, J. (2000). Cultura da educação. Lisboa: Edições 70.CARDOSO, C. (1996). Educação multicultural: Percursos para práticas

reflexivas. Lisboa: Texto Editores.

CASA-NOVA, M. J. (2002). Etnicidade, género e escolaridade: Estudo em torno

das socializações de género numa comunidade cigana da cidade do Porto.

Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

CHARLOT, B. (2000). Da relação com o saber: Elementos para uma teoria.

Porto Alegre: Artes Médicas.

CLAPARÈDE, É. (1931). L’éducation fonctionelle. Neuchatel: Delachaux &

Niestlé, S.A.

______. (1972). Psychologie de l’enfant et pédagogie expérimentale I: Le

développment mental (11ª édition). Neuchatel: Delachaux & Niestlé, S.A.

CORTESÃO, L. et al. (2000). Nos bastidores da formação: Contributo para o

conhecimento da situação actual da formação de adultos para a diversidade

em Portugal. Lisboa: Celta Editora.

COSME, A. (2009). Ser professor: A acção docente como uma acção de

interlocução qualificada. Porto: LivPsic.

COTRIM, A. et al. (1995). Educação intercultural: Abordagens e perspetivas.

Lisboa: Ministério da Educação – Secretariado Coodenador dos Programas

de Educação Multicultural.

______. (1995). Relatos de experiências. Lisboa: Ministério da Educação –

Secretariado Coodenador dos Programas de Educação Multicultural.

COUSINET, Roger (1978). A educação nova. Lisboa: Moraes Editores.

DECROLY, Jean-Ovyde (1965). La function de globalisation et l’enseignement.

Édition Desoer.

DUBREUCQ, F. (1994). Jean-Ovyde Decroly (1871-1932). Em Morsy, Z.

(Coord.), Penseurs de l’Éducation (p. 161-173). Paris: Éditions UNESCO (Révue

trimestrielle de l’éducation, 85-86).

FERRIÈRE, A. (1934). A Escola Activa. Porto: Editora Educação Nacional.

HOHMANN, M.; BANET, B.; WEIKART, D. P. (1987). A criança em acção.

Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian.

LEITE, C. (2002). O currículo e o multiculturalismo no sistema educativo

português. Lisboa: F.C.G.

MARQUES, R. (1998). A arte de ensinar – Dos clássicos aos modelos

pedagógicos contemporâneos. Lisboa: Plátano Edições Técnicas.MEIRIEU, P. (2002). A pedagogia entre o dizer e o fazer. Porto Alegre:

Artmed.

PACHECO, N. (1996). Da luta anti-racista à educação intercultural. Inovação,

vol. 9, nº 1 e 2, 53-62.

PERES, A. (1999). Educação intercultural: Utopia ou realidade? Processos de

pensamento dos professores face à diversidade cultural: Integração de minorias

migrantes na escola (Genebra e Chaves). Porto: Profedições.

PERRENOUD, P. (1999). Avaliação: Da excelência à regulação das

aprendizagens, entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed.

______. (2000). Pedagogia diferenciada: Das intenções à ação. Porto Alegre:

Artmed.

PIAGET, J.; INHELDER, B. (1993). A psicologia da criança. Porto: Edições

ASA.

POZO, J. I; CRESPO, M. A. G. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências.

Porto Alegre: Artmed.

SCHMIDT, M. (1979). Mastery learning: Theory, research and implementation.

Ontario: Ministry Education

SOUTA, L. (1997). Multiculturalidade & Educação. Porto: Profedições.

STOER, S.; CORTESÃO, L. (1999). «Levantando a pedra»: Da pedagogia

inter/multicultural às políticas educativas numa época de transnacionalização.

Porto: Edições Afrontamento.

TOMLINSON, C. A. (2008). Diferenciação pedagógica e diversidade. Porto:

Porto Editora.

TRINDADE, R. (2012). O Movimento da Educação Nova e a reinvenção da

Escola: Da afirmação de uma necessidade aos equívocos de um desejo. Porto:

Editorial Universidade do Porto.

TRINDADE, R.; COSME, A. (2010). Educar e aprender na Escola: Questões,

desafios e respostas pedagógicas. V. N. Gaia: Fundação Manuel Leão

VERGNAUD, G. (2000). A teoria dos campos conceptuais. Em Brun, J. (Dir.),

Didáctica das matemáticas (pp.155 – 191). Lisboa: Instituto Piaget.

VIGOTSKY, L. S. (1977).Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade

escolar. Em Luria, Leontiev, Vigotsky et al. (Ed.). Psicologia e Pedagogia I (p.

-50). Lisboa: Editorial Estampa.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 CADERNOS DE PESQUISA: PENSAMENTO EDUCACIONAL